Swingers: um outro estilo de vida

swingers

Os swingers são um grupo dentro da esfera de relacionamentos não monogâmicos, cuja característica definidora é a troca dos seus parceiros como parte de uma fantasia ou jogo sexual. O jogo dos swingers tem sua origem em um antigo costume das cortes reais, que permitia aos nobres desfrutar carnalmente com as mulheres dos outros.

A história registra muitas histórias sobre tais costumes, e muitas delas foram registradas em livros, cartas, testemunhos e diários da realeza.

No início do século XX, essa prática passou a círculos sociais menos elitistas e o “wife swap” ou “troca de esposas” apareceu. A palavra “swing” significa “balançar (de um lado para o outro)” e refere-se à mudança constante de um parceiro para outro.

seriado swingers
Imagem do seriado “Swingers”.

Com os novos tempos, ficou claro que o antigo conceito de troca de esposas não funcionava. Agora ja não é que os homens concedem a exclusividade sexual da à esposa, mas um ato de consentimento e compersão mútuos. O nome antigo também excluía casais homosexuais compostos por dois homens. Atualmente, é preferível falar sobre a troca de casais.

Para decepcão das pessoas mais quentes, essas trocas não acontecem de maneira desordenada. O jogo tem regras muito claras. Gradualmente, os swingers definiram a sua própria filosofia; algo que eles chamam, em inglês, de “lifestyle”: o estilo de vida.

A filosofia dos swingers

A característica mais importante dos swingers é que eles podem se relacionar com mais de um parceiro sexual, com o consentimento de todos os envolvidos, mas sem incluir sentimentos profundos pelos outros participantes, exceto pelo parceiro original. Entre os swingers é proibido se apaixonar.

Não é apenas proibido se apaixonar, mas ao contrário do casal aberto, no qual cada membro pode agir por conta própria, no mundo dos swinger é comum que o casal só aja em conjunto ou, pelo menos, de maneira coordenada. Flertar geralmente é um assunto de casal para casal e não entre indivíduos.

bandeira swingers
O movimento tem sua propria bandeira

A abordagem lúdica dos casais swinger consiste no pleno desenvolvimento do sexo recreativo, mas com responsabilidade. Apesar da intensa troca sexual e exposição a múltiplos parceiros, os swingers estão entre os grupos com as menores taxas de transmissão de doenças sexualmente transmissíveis.

Devido aos padrões de comportamento sexual comumente aceitos pela sociedade ocidental, como acontece com outras minorias sexuais, sair do armário swinger pode ser muito problemático. Os swingers geralmente mantêm sua identidade em segredo e é por isso que costumam usar apelidos desenhados para o lifestyle.

Embora existam muitas maneiras de lidar como casais envolvidos, todos os swingers têm em comum regras que permitem o entendimento entre eles.

Dez regras swingers

Como dissemos, os swingers têm umas regras reconhecidas internacionalmente. Quem segue a filosofia da troca de casais sabe, além das barreiras que a linguagem pode impor, que eles devem seguer tais normas.

Decálogo Swinger:

  1. Você não tentará romper nenhum casamento, nem qualquer relacionamento estável. Você não pode se envolver emocionalmente.
  2. Você respeitará os programas que concorda e notificará em caso de alterações imprevistas.
  3. Você irá para o primeiro encontro com a idéia do swinger, não faza perder o tempo aos outros.
  4. Você nunca, por motivo nenhum, pressionará alguém para forçá-lo a se juntar ao mundo dos swinger; nem sequer mesmo o seu parceiro.
  5. Você não vai falar sobre o estilo de vida swinger com pessoas que não manifestaram interesse a esse respeito. Você respeitará as ideologias e crenças morais dos outros, mesmo que eles não respeitem os seus.
  6. Você protegerá o anonimato das pessoas que praticam a troca de casais com o mesmo zelo que protege o seu, e sempre usará pseudônimos ou apelidos. Você não fornecerá os números de telefone, endereços ou nomes de ninguém, muito menos os pontos de encontro dos compromissos, sem autorização prévia.
  7. Você cuidará ao máximo de sua higiene e aparência pessoal.
  8. Não faça nada que desacredite ou dê uma má reputação ao estilo de vida swinger.
  9. Seja amigável e comporte-se calorosamente com seus amigos, mas lembre-se de que existe um certo tipo de zona emocional que pertence apenas ao parceiro dessa pessoa. Nunca invadir territórios que não lhe pertencem.
  10. Pratique sexo seguro, use camisinha e tudo o que proteja sua saúde e a de outras pessoas.

Como pode ser deduzido da prática do decálogo, a intimidade e o respeito mútuo estão muito presentes no mundo dos swingers.

A troca de casais não é prostituição

Uma das idéias mais infelizes que geralmente se espalha entre aqueles que se opõem ao movimento swinger é que as mulheres são uma moeda; isto é, eles acreditam que podem alugar para a dama em questão. Isso se deve a um ponto de vista machista, segundo o qual o marido é o proprietário ou o guardião do corpo da mulher, o que é completamente falso.

abacaxi swingers
O abacaxi é um indicador dos casais swingers

Esta é uma das razões pelas quais um casal swinger tem dificuldade em “sair do armário”. Na maioria dos casos, eles teríam de soportar uma chuva de insultos e ofertas indesejadas, especialmente em relação à dama, que pode virar vítima de assédio. Isso sem contar as várias reações que isso pode gerar em núcleos de amizade, no local de trabalho ou na família.

Esse pensamento leva algumas pessoas, especialme homens, a tentar acordos monetários com um casal (geralmente tentam fazer sexo com uma dama oferecendo dinheiro ao marido), o que é um grande desrespeito. Os iniciados neste mundo querem apenas se relacionar sexualmente com quem eles gostem, não obter benefícios econômicos ou sociais de favores sexuais. Isso é – pelo menos teoricamente – inaceitável na comunidade swinger.

Por outro lado, há pessoas no estilo de vida que contribuem para a confusão afirmando “se você não me deixa com seu parceiro, não pode ficar com o meu”, revelando que eles vêem seu companheiro como uma moeda; uma maneira de levar outra pessoa para a transa. Isso é muito lamentável.

swingers flag
Ha aínda outra bandeira…

Também é possível que algumas pessoas não iniciadas confundam a fantasia de cafetão e prostituta (ou prostituto), uma prática que produz tesão em muitos casais, com o mundo do swinger. São fantasias diferentes e não estão necessariamente relacionadas. De qualquer forma, nessa fantasia, a iniciativa deve sempre começar com a oferta da pessoa ou do parceiro, e deve ficar claro que é apenas um jogo e que ninguém exerce esse comércio, nem é uma carta aberta para tentar novos avanços quando o jogo terminar.

O mais importante é entender que os swingers não são melhores ou piores do que qualquer outra pessoa. São pessoas normais, com famílias, amigos, empregos e vidas semelhantes às dos outros; e sim, com um carinho especial pelo sexo recreativo.

2 thoughts on “Swingers: um outro estilo de vida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *